Você no Blog Sexy Hot – A esposa infiel e o amigo chantagista 5ª parte

Se você perdeu ou ainda não viu e quer acompanhar, só clicar para ler a parte 1, parte 2 , parte 3 e parte 4 dessa história fantástica!

 

Dias depois, Jussara encontrou com Vicente lhe avisando que Alberto daria uma festa para algumas pessoas na casa dele e disse que a levaria.

– Será uma festa bem íntima, com poucas pessoas, ou seja, alguns casais e amigos de Alberto. E disse que irei com você! – Disse Vicente.

– Não acha que isso está indo longe demais? – Perguntou Jussara.

– Está apenas começando! – Falou ele.

Os dois combinaram de se encontrar em outro bairro e lá pegariam um táxi.

Assim fizeram.

Mas uma vez, Carlos nada falou com a esposa. Era só lhe pedir algo, que ele dizia amém.

Vicente pediu que usasse a máscara, pois não queria correr o risco se por alguma desventura tivesse alguém que a conhecesse.

Ao chegarem à casa de Alberto, Jussara achou bem aconchegante. E no ambiente por de trás da casa havia uma piscina onde ele recebia os amigos.

Alguns convidados já presentes e tudo exalava um clima de luxúria e perversão. Mas a noite estava apenas no início.

Alberto como não era casado fazia com perfeição as honras da casa e aguardava outras pessoas chegarem para dar conotação a sua grande e lasciva festa.

Passou algum tempo, e todos interagiam entre si.

Porém, Jussara conversava com os demais, acompanhada de Vicente que fazia questão de estar sempre ao seu lado.

Finalmente as pessoas que Alberto esperava chegaram. Inclusive os amigos que estavam na noite com ele na boate quando se encontraram.

Soube que seriam os mesmos devido à apresentação e também o comentário de Alberto.

Jorge e Rafael pareciam meio tímidos perante as outras pessoas que estavam bem focalizadas naquilo que desejam aquela noite.

Sobre a mesa de frios, também se encontrava um recipiente com vários sabores de camisinhas, fora os instrumentos como dildos, vibradores e dispositivos anais.

A bebida rolava à vontade e todos se beijavam…

Uns já despidos faziam sexo oral em outros, sendo homem com mulher, mulher com dois homens… Com três, homem com homem, ali todo mundo se desejava. Todos eram de todo mundo e ninguém era de ninguém. Isso é se lhes bastasse!

A princípio Jussara ficou observando para ver qual seria a reação de Vicente.

Ele estava intrigado com um dos convidados do amigo, e suspeitava ser alguém conhecido. Mesmo a pessoa impostando a voz e procurando lhe evitar. Nunca se enganara antes assim. E participando desse mundo de casas e boates de swing, ser um bom observador era tudo!

Alberto era o rei da festa, já que a casa não comportava uma rainha, ele dava a atenção de todas as maneiras a cada um de seus convidados. Principalmente aquele com quem Vicente era cismado.

Jussara compreendia ou começava a entender aquele ritmo de vida, sexo por sexo, homens sentindo prazer ao verem suas esposas transando com outros homens, e com outras mulheres. E sentia que esta troca de prazer era mútua sem nenhuma cobrança adicional. E que quando saia dali suas vidas eram normais diante daqueles que vivem na monogamia.

Mesmo com vários parceiros a disposição, o clima rolou com mais cumplicidade entre Vicente e Jussara e outro casal presente, que se apresentaram como Casal Delícia.

Era comum neste lado “b” da vida do casal, não falarem os seus respectivos nomes. E o que importava também?

A química entre os dois casais era perfeita, no início Vicente e seu companheiro observam as mulheres interagindo entre si, sobre o sofá em um canto da sala, fazendo uso de alguns instrumentos. As cenas que presenciavam faziam com que aumentasse mais a libido de quem assistia. E não eram somente os dois.

Wall como era chamada Jussara quando estava nessas festas, tinha o rabinho acariciado pela Delícia. Ela fazia caras e bocas… E assim as duas se revezavam em suas carícias ou faziam mutuamente.

Apesar do pouco tempo, já se acostumara ser uma exibicionista e era o que todos os presentes ali desejavam: homens e mulheres exibicionistas mostrando-se sem máscaras no ato sexual mesmo acobertando os seus rostos.

Vicente e o Delícia se punhetavam para aquecerem mais o clima de tesão, quando resolveram entrar nessa mesma brincadeira, invertendo os casais e enterrando em suas mulheres os dispositivos.

A luxúria estava espalhada pela casa e os vizinhos nem sonhariam em imaginar o que poderia estar acontecendo com o som ligado em um volume aceitável, senão ouviriam gritos e gemidos oriundos de prazer e gozo vindo daquela direção.

Vicente assistia Jussara e a Delícia chupando o pau do então amigo, depois as duas se colaram entre os dois e intercalavam as suas lambidas servindo aqueles homens e ao mesmo tempo as duas se tocavam penetrando os dedos ágeis uma na outra, com gemidos uníssonos.

As duas se acomodaram ajoelhadas sobre o sofá…

– Vem… Fode os nossos cuzinhos… – Pedia Jussara.

– Isso! Mete com força… Arregaça-os… – Complementou a Delícia.

Diante de pedidos tão intempestivos, Vicente e seu companheiro de foda não tiveram alternativa: meterem com força no cuzinho de suas mulheres deliciosas.

Pareciam que os casais já haviam saído antes, devido o entrosamento dos quatro.

A Delícia fincou seu cuzinho no mastro do marido e enquanto isso, Jussara chupava outra vez Vicente que estava mais do que em riste, ela de quatro Vicente se meteu por trás metendo de uma só vez em sua buceta vermelha e inchada de tesão louca para ser invadida.

Jussara rebolava gostoso e tinha os seios sugados pela colega. O tesão ia ao ápice com força total e gritando gozou  com a rola de Vicente enterrada em si.

Com Jussara desfalecida pelo gozo, Vicente não perdeu tempo e se encaixou na buceta de Delícia realizando uma DP, enquanto Jussara sugava os seios dela e a beijava.

Permaneceram algum tempo assim, até que os homens a colocaram de joelhos e saciaram a sua fome de leite, derramando sobre elas seus líquidos densos e quentes.

O sexo e o prazer eram intercalados com grandes goles de bebidas.

A noite estava apenas começando e teriam outros casais para provarem e saciarem…

 

E, claro, todos os créditos a escritora, Fabby Lima!

Beijinhos,