Ela recebe salário para gozar – quem é a testadora de produtos eróticos

O site anunciou uma vaga de emprego para testar sex toys. Sete mil mulheres se candidataram em uma semana

Mariana Blac é o pseudônimo da paulistana que derrubou sete mil candidatas a uma vaga de emprego. E você aí achando que difícil mesmo é entrar no curso de medicina da USP, com 51 inscritos por vaga… Tudo começou com um anúncio de jornal que ganhou as redes sociais: “Procura-se testadora de produtos eróticos”. Em uma semana, devido à demanda inesperada, encerraram-se as inscrições. O contratante era o site Sexônico, uma espécie de Google dos sex toys. Ele funciona como um buscador – basta digitar o produto para visualizar fabricantes, preços e resenhas. Mariana preencheu o formulário virtual, colocou a pretensão salarial e anexou seu currículo. Aos 26 anos, formada em jornalismo, ela trabalha como analista de mídias sociais em uma agência de publicidade.

Na fase final da seleção, lhe pediram uma resenha de algum brinquedinho que tivesse em casa. Mariana escreveu sobre as bolinhas de pompoarismo. O ex-namorado não gostava muito da ideia de dividi-la com outro pênis (ainda que de borracha). “Ele tinha preconceito com vibradores, sabe como é…” Para apimentar a relação, o jeito era recorrer a cosméticos como óleos sensuais e géis aromatizantes. Agora Mariana está solteira e, portanto, vai abusar dos consolos e tudo que puder ser usado solitariamente. Assim que foi eleita pela empresa, ela recebeu uma caixa com 15 produtos eróticos (que não serão sorteados nem reutilizados, ufa). Poderia escolher qualquer um para começar a maratona de testes. Vibrou com o Rabbit, o famoso e caro aparelhinho. Mariana me disse que poderia casar com ele de tão fantástico e mandou um trecho da resenha que será publicada:

“Ai, ai… Eu vou suspirar por esse vibrador por muito tempo! O Rabbit definitivamente não é um brinquedo erótico comum. É o produto que merece ser tratado com seu maior carinho. Produzido com um material macio, maleável, que parece ter qualidade para durar eternamente, o Rabbit assusta à primeira vista. O brinquedo é grande. E bota grande nisso! Consistente e volúvel, parece que ele nunca vai encontrar seu par perfeito. Mas pode ter certeza: você tem espaço suficiente para encaixar todo esse talento entre suas pernas”.

O perfil no Facebook da personagem Mariana Blac, a testadora de produtos eróticos, criada por uma jornalista paulistana

A testadora trabalha de casa, depois do expediente na agência. Recebe um salário de R$ 2 mil e não precisa bater ponto (só outras coisas). Taí porque a vaga foi tão concorrida – até uma senhora de 60 anos se inscreveu. Mas nem tudo são bons orgasmos. Os pais de Mariana acharam que se tratava de outra piada da filha. O chefe do emprego convencional nem imagina como ela complementa a renda. E ela receia que não vá encontrar namorados tão compreensivos. Mas a profissão já está fazendo com que ela conheça melhor o próprio corpo e desenvolva sua sexualidade. “Não que eu fosse fanática por brinquedos eróticos”, diz Mariana. “Talvez agora eu fique…” Coitados dos vizinhos!

Powered by WPeMatico

Campeões da sacanagem em São Paulo

O Sexpedia elegeu os campeões em três categorias de sexo

Olha só que bacana: o Sexpedia foi convidado para eleger os campeões em três categorias de sexo no especial “O Melhor de São Paulo”, da revista ÉPOCA São Paulo. Eu revisitei sex shops, selecionei os produtos mais interessantes, fiz aula de sensualidade e até experimentei uma massagem tântrica (sim, “lá” mesmo). Tudo para adiantar a vida do leitor, que não merece passar pelo calvário até encontrar o melhor do melhor. Pode confiar no meu taco – ainda que eu não tenha um. A edição já está nas bancas, com 182 vencedores em restaurantes, bares, baladas, beliscos, bem-estar, diversão, consumo e serviços. O Sexpedia adianta aqui os lugares que vão te dar todos os ingredientes para você comer bem. Em casa.

Escola de sensualidade
Constantine

As cadeiras têm estampa de oncinha. As ferramentas de ensino não são lousas e livros, mas um espelho, uma barra de pole dance, um pênis de borracha. Na sala de aula, anexa à loja de roupas e acessórios eróticos Constantine Boutique, mulheres registram a teoria em cadernos e bloquinhos. Tomam nota da anatomia masculina, dos exercícios para fortalecer a vagina, dos cosméticos mais indicados para uma massagem estimulante, dos truques para disfarçar as gordurinhas na hora do strip-tease. Muitas são casadas. Outras, ainda na pista, já cansaram da mesmice na cama. Tímidas ou descoladas, comparecem às aulas em busca de instrumentos e artifícios para apimentar a relação ou aumentar a intimidade com o parceiro. As professoras esclarecem dúvidas inconfessáveis com bom humor e naturalidade.

Solte suas feras: professora de strip ensina aluna sobre a arte de tirar a roupa

A maioria dos oito cursos, com duração de três horas cada (R$ 200), inclui uma parte prática. Técnicas para tirar a roupa, coreografias para fazer com a barra e rudimentos de massagem tailandesa (feita com pés,nádegas e seios) estão entre as valiosas estratégias ensinadas. Na programação, montada pela psicóloga Luciana Keller, proprietária da butique, há disciplinas diretamente ligadas à arte da sedução, como massagem sensual, pompoarismo, strip-tease e pole dance, e outras que ajudam a melhorar o desempenho em si, como o curso Segredos do sexo, com dicas para fazer um oral imbatível e um anal sem traumas. Para as menos criativas, o curso Mala de motel apresenta produtos que provocam os cinco sentidos na hora da farra.

• R. Gaivota, 1.311, Moema, tel. 5042-2760, constantine-sp. com.br. Seg. a sex. 10h/20h; sáb. 10h/19h.

Massagem íntima
Spaço Tantra

O sobrado não tem placa: é preciso se identificar ao interfone. A decoração, com motivos indianos, e a música lembram as de um spa. As massagens (R$ 300 por uma hora e meia) usam conceitos como chacras e energia vital para, entre outros benefícios, tratar ejaculação precoce e falta de ereção (no caso dos homens) ou ausência de libido e de orgasmos (mulheres). Dhara é terapeuta. Conduz a repórter a uma sala reservada. “Pode ficar nua e deitar de bruços”, diz. Banhadas em óleo, suas mãos percorrem o corpo da cliente. Pressionam, dedilham, desenham de leve com as pontas dos dedos. Arrepios surgem nos lugares menos prováveis. A cliente é, enfim, convidada a se virar. Agora, dhara busca sua yoni (nome da vagina no tantra). Despreza o clitóris para se concentrar na musculatura ao redor: áreas quase sempre esquecidas do genital. Quando o orgasmo vem, a duração e a intensidade são maiores do que as habituais. A repórter adormece, mas logo desperta. “Foi bom para você?”, Dhara quer saber.

R. Flórida, 687, Brooklin, tel. 5041-1344, spacotantra.com.br. Seg. a dom. 9h/22h.

Sexshop
Revelateurs

Uma loja sem-vergonha, em todos os sentidos. Quando as irmãs Ana Maria e Ana Paula Delarcina abriram a butique Revelateurs, em 2001, a intenção era exatamente esta:ter um espaço para vender lingerie e brinquedos sexuais sem causar constrangimento. Na discreta esquina ocupada pela loja, em Moema, não há letreiro em néon nem cartazes pornográficos. Amplo e clean,o salão tem duas araras com peças de extremo bom gosto (corselets, meias 7/8 e luvas, entre outros adereços) e fantasias inspiradas em variados fetiches. Num canto,prateleiras abrigam produtos e acessórios para apimentar o sexo. Nada de consolos de borracha. Nos toys da Revelateurs, design, tecnologia e materiais surpreendem.há até um vibrador de ouro,à venda por R$ 8.720.

R. Gaivota, 1.502, Moema, tel. 5561-9552, revelateurs.com.br. Seg. a sex. 9h30/19h; sáb. 10h/18h.

* Os brinquedinhos que selecionei na Revelateurs:

Music ViBe
Exclusivo, o vibrador vem com uma estação para iPod e vibra ao ritmo da música. R$ 698

We ViBe 3
Dupla estimulação: uma ponta toca o clitóris e a outra, o ponto G. R$ 599

Lyla
Massageador feminino silencioso, é acionado por controle remoto. R$ 798

Tenga EGG
Masturbador masculino, tem orifício para o pênis e simula sexo oral. R$ 39

Powered by WPeMatico

Apimente o Sexo Antes Mesmo de Começar

 

Se você acha que sexo é só penetração, você é ruim de cama. Não precisa ser muito expert no assunto para saber que o prazer começa muito antes das duas – ou três, quatro, cinco – pessoas estarem se tocando.

➦ Dicas para você Arrasar no Sexo Oral com seu Boy
➦ Escreve seu Nome no Alfabético Erótico
➦ 20 Dicas para Turbinar seu Orgasmo
Você já ouviu falar muito das tais preliminares, né? Pois fique você sabendo que preliminar não começa com beijos e termina em sexo oral, ela pode começar muito antes das duas pessoas finalmente se encontrarem.

Veja então ideias para apimentar o sexo antes mesmo de ele começar:

1) Sexting

bike

Se você acha que sexting é coisa de adolescente, está enganada. Não tem coisa melhor para apimentar a relação que uma bela dose de mensagens de texto obscenas. Vale tudo, use a sua criatividade e perca a vergonha. Nada como sext para aquecer o sexo antes mesmo de ele acontecer.

2) Snapchat

Image and video hosting by TinyPic

Uma boa tática também é mandar fotos e vídeos provocantes, e se você tem medo de cair na net, o melhor meio de fazer acontecer, é através do Snapchat, aplicativo para iOs e Android em que você envia a foto e depois que a pessoa recebê-la, ela fica ativa por alguns segundos e desaparece.

3) Provocação

Image and video hosting by TinyPic

Provoque o quanto puder, só vai deixar a pessoa com mais vontade de finalmente chegar em casa e arrancar sua roupa – risos. Se estiverem em um bar, por exemplo, sussurre no ouvido do seu parceiro que está sem calcinha e louca de tesão. Coisas que até então você considerava indiferentes, podem esquentar muito o clima antes da hora do vamovê.

4) Cinco sentidos

Image and video hosting by TinyPic

Use e abuse dos cincos sentidos para despertar a sensibilidade do seu parceiro, as mãos para fazer massagens e tocar suas zonas erógenas, aguce o olfato com perfumes e velas aromáticas, o paladar com frutas afrodisíacas, a visão com uma dança ou qualquer outra coisa que possa instigá-lo ainda mais ;)

5) Em público

Image and video hosting by TinyPic

Já ouviu dizer que tudo que é proibido é mais gostoso? Então dê uma pitada de pimenta no seu relacionamento e comece a explorar lugares públicos. Vale tudo, desde que feito com cautela para não ser pego. Uns bons amassos no cinema ou no carro já dão uma esquentada no clima pré-sexo.
+ 10 lugares proibidos e criativos para fazer sexo.

6) Se toque

Image and video hosting by TinyPic

Se você for mulher, pode anotar aí que não tem coisa que dá mais tesão para um homem do que ver você se tocar, afinal, é tipo assistir a um filme pornô em 3 dimensões – risos.
+ Aprenda a atingir o orgasmo sozinha

 
Publicidade

gotas do prazer - darme sex shop

 

Agora que as dicas estão ‘dadas’ (risos), é só colocar em prática ;)
O que acharam?

The post Apimente o Sexo Antes Mesmo de Começar appeared first on Darme SexShop – Blog | Dicas de Sexo e Relacionamento.

Powered by WPeMatico

Aprenda a Atingir o Orgasmo Sozinha

A masturbação é libertadora! Se você ainda não conseguiu chegar ao orgasmo, é o caminho certeiro

prazer clitoris

Para quem está solteira, é uma forma de se satisfazer. Para as comprometidas, é uma maneira de conhecer o corpo e melhorar o sexo com o namorado. Portanto, não tenha vergonha e siga as nossas dicas para atingir o clímax por conta própria!

 

O lugar ideal

Escolha um local em que fique sozinha, sem medo de ser interrompida. Relaxe completamente por pelo menos meia hora. Trancar a porta é uma boa. Se você nunca atingiu o orgasmo por meio da masturbação, sugerimos que a autoestimulação seja feita no quarto. Lá sempre tem uma cama confortável, onde você pode se movimentar à vontade.
 

Prepare o espírito

Faça desse momento uma inspiração para que o orgasmo role mais facilmente. Deixe o clima sensual: se tomar uma taça de vinho te deixa mais sensual e desinibida, tome. Coloque uma música, acenda velas, passe seu perfume predileto… entre no espírito! Tudo isso contribui para a fantasia do orgasmo.
 

A melhor posição

A sugestão é se deitar de barriga para cima com a cabeça em um travesseiro macio. Suas pernas devem ficar esticadas ou com os joelhos ligeiramente dobrados e os pés apoiados na cama. Assim, você pode se balançar, girar o quadril, arquear as costas. Se você não se sentir à vontade nessa posição mais “escancarada”, pode ficar de ladinho, sentada na beira da cama ou misture tudo conforme a excitação for aumentando.
 

A técnica do toque

A sua mão é a melhor e mais completa ferramenta para atingir o orgasmo sozinha. Com ela, você tem a percepção de todos os lugares que estiver se tocando. O toque pode ser feito da seguinte maneira:
 
1. Aplique uma boa quantidade de lubrificante em toda a vulva para evitar uma irritação por atrito.
 
2. Usando as pontas do indicador e do polegar, sinta seu clitóris, acariciando ou pressionando suavemente, movendo a pele abaixo em pequenos círculos. Nunca o esfregue porque ele é ultrasensível e pode acabar com o clima.
 
3. Sinta seu clitóris passando-o pelo capuz, ou seja, um pouco acima dele. Então, suba outra vez, concentrando-se na glande do clitóris, localizada entre ele e o início da vulva. Agora, explore o osso pubiano ainda pressionando-o de forma suave e rítmica.
 
4. Agora explore os lábios externos, incluindo a área entre a vulva e a parte de cima das pernas. Acaricie o períneo e as nádegas.
 
5. Leve as pontas dos dedos novamente para a vulva e volte ao clitóris, subindo pelos pequenos lábios. Experimente tocar o clitóris de forma direta. Se precisar, coloque mais lubrificante. Se você achar o toque direto muito intenso, volte para o conforto e continue acariciando o capuz, área menos sensível.
 
6. Experimente usar os movimentos circulares e pulsantes das pontas dos dedos em diversas velocidades. Aumente e diminua o ritmo da pressão constantemente, mas sem pressa. A intenção não é só chegar ao orgasmo, mas desfrutar todo o prazer da experiência.
 
7. Pressione seu pulso contra o monte de Vênus também, no mesmo movimento da mão. Nesse momento, o orgasmo ganhará força. Mova o quadril contra a sua mão, pressione, relaxe.
 
8. É provável que você tenha se contraído como se estivesse segurando o xixi. É como se a vagina fosse direcionada ao clitóris, o que aumenta a estimulação.
 
9. Lembre-se de respirar profunda e normalmente para ajudar no transporte correto do fluxo sanguíneo.
 
10. Quando a excitação crescer a ponto de chegar ao auge, continue mantendo um ritmo firme e rápido, arqueando as costas a cada pressão do pulso, entrando no clímax. Quando o orgasmo vier, permita-o. Seu corpo reagirá de uma maneira única!
 

Pratique, pratique e pratique

Você não é obrigada a atingir o orgasmo para se sentir verdadeiramente feminina, mas chegar lá é bom demais. Por isso, para ficar bom nesse negócio, praticar é o caminho! Mesmo que não atinja o orgasmo todas as vezes em que tentar, curta o momento e vá conhecendo o seu corpo cada vez mais. Não perca oportunidades. Se estiver com vontade, faça!

Sex Toy

Ah, e se você deseja chegar a outro patamar no quesito orgasmo, basta utilizar algum vibrador que seja para massagem do clitóris e de toda a vulva. São, realmente, fantásticos. Nossa dica é o Kit: Segredos do Prazer. No qual acompanha 1 mini massageador clitoriano e um lubrificante estimulante vaginal. A combinação deles é um must!

 

prazer segreto

The post Aprenda a Atingir o Orgasmo Sozinha appeared first on Darme SexShop – Blog | Dicas de Sexo e Relacionamento.

Powered by WPeMatico

7 Maneiras Inesquecíveis de Masturbar seu Parceiro

chupe antes homem

Você já sabe que uma boa preliminar coloca fogo na transa. Segundo a urologista e terapeuta sexual Sylvia Marzano, a mulher que entende que a masturbação deveria fazer parte dos jogos sexuais tem grande prazer em ver seu parceiro excitado, ainda mais por saber que ela está fazendo com que ele se sinta assim. Confira dicas quentes para enlouquecer seu parceiro na cama.

1. Crie um clima
Prepare um banho pra lá de quente. “Com a espuma dos sais de banho, deslize as mãos por todo o corpo dele”, sugere a sensual coach Fatimah Moura. Comece pelos pés, siga pelas partes externa e interna das pernas, até a virilha. Não toque o pênis logo de cara para deixá-lo na expectativa. “É pelo toque que você descobre os pontos fortes do seu parceiro”, diz Fatimah.

2. Faça o que ele gosta
“Uma forma que dá muito prazer ao homem é você masturbá-lo com a mão direita, fazendo movimentos de vai e vem do prepúcio (a pele que cobre a glande), junto com sexo oral”, afirma Sylvia. Para isso, fique ao lado dele ou deitada sobre suas pernas. Quer saber se está agradando? Preste bastante atenção nas atitudes dele.

3. Não use só as mãos – Provoque

postar 2

Coloque o pênis entre os seus seios, apertando-os em movimentos para baixo e para cima (passe a língua e turbine as sensações). “A mama é uma das partes preferidas dos homens, então tem alto poder erótico”, diz a psicóloga Jussânia Oliveira, da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana. Use a mesma estratégia com a planta dos pés. Deite seu parceiro na cama e sente entre as pernas dele. “Com as mãos livres, você pode se tocar e estimulá-lo visualmente.”

4. Faça massagem
Use um gel que esquenta na lateral do pescoço dele e na nuca. Depois passe para o pênis (use pouco produto para não aquecer demais). Com a mão bem leve, faça movimentos de sobe e desce e, com o polegar, acaricie o corpo e a cabeça do pênis. “Use os seios para massagear o tórax dele.”

5. Varie os movimentos
Observe sempre as reações do seu parceiro para saber qual tipo de toque dá mais prazer. O tradicional “de cima para baixo” não é sua única opção. “Uma variação é segurar a base do pênis com uma mão e, com a outra, fazer um movimento giratório até chegar à glande. Depois, desça girando”, sugere Jussânia.

6. Dê prazer máximo
A região mais sensível do pênis é a glande (cabeça), então aproveite. “Forme uma conchinha com a mão e estimule a glande com os cinco dedos, indo de baixo para cima”, indica Jussânia. “Use o polegar especialmente na região onde fica o freio peniano (pele na frente da glande).”

7. Inove – Sex Toys
Você sabia que existem brinquedinhos eróticos próprios para a masturbação do seu boy magia? Pois é bobinha.. Que tal fazer uma surpresinha utilizando um Masturbador Tenga Egg? Este produto virou sensação entre os homens por ser muito prático, discreto e útil. Use e abuse da sua imaginação! Masturbe seu gato usando um desses brinquedinhos e tenha certeza de belos orgasmos ;)

 

Tenga Egg


Você tem ainda outra opção de brinquedinho erótico para usar com seu parceiro. É a capa peniana vazada!! Siiimmmm, não se espante (risos). Vocês irão adorar isso. O motivo é que isso não trará prazer apenas ao seu boy, e sim ao casal. Vocês devem estar se perguntando: Mas como? A gente te explica ;)
Essa capa pode ser usada de duas formas diferente. A primeira delas, seu boy vai vestir a capa no pênis, com as texturas estimuladoras, para fora. Dessa forma, durante a penetração, todas essas texturas irão massagear todo o canal vaginal e te levarão a loucuuuuura!!
A segunda opção é para masturbar seu gato. Basta inverter as texturas para dentro, aplicar um pouco de lubrificante no pênis, e começar a fazer o movimento de masturbação no pênis de seu amado. Aposto que ele não vai aguentar por muito tempo (risos).

 

capa vazada

 

Espero que tenham curtido as dicas meninas. Agora é só colocar a mão na massa, literalmente ;)

The post 7 Maneiras Inesquecíveis de Masturbar seu Parceiro appeared first on Darme SexShop – Blog.

Powered by WPeMatico

Incesto: Tesão (com trepada) entre irmãos

As vezes o tesão fala muito mais alto que a razão!
Este é um desses casos. E, sem culpa nenhuma, os irmãos agora trepam toda a noite.

Como tudo começou? Dá uma lida!

 

Incesto: Tesão (com trepada) entre irmãos

Sou Tatiana, uma menina tímida e apesar de me achar muito gostosa, não sou provida de muita beleza. Todos me acham linda, menos eu. Tenho muitas sardas e frequentemente aparecem espinhas e cravos no meu rosto. Tenho verdadeiro horror a isso. Sou uma menina sonhadora e meu sonho maior é ser arrebatada nos braços de um príncipe, num cavalo branco.

Tudo bem, acordemos pra realidade. Se bem que sonhar é que move o nosso espírito. O homem mais lindo do mundo não pode ser meu. Porque é meu irmão Fábio. Tenho verdadeira adoração por ele. Às vezes me pego observando sua “mala” logo pela manhã quando ele acorda, uma amiga me contou que isso é “tesão de urina”. Assim que ele mija passa. Divago a imaginar meu irmão cavalão de pernas abertas no banheiro, mijando. Sempre escuto o barulho e parece uma cachoeira desabando do morro. Pelo barulho, ele deve ter um cacete enorme.

Apesar dos meus pensamentos obscenos, eu nunca dei trela a ele e isso tudo aqui é apenas um desabafo. Mas esta semana eu tive uma surpresa. Sentia-me incomodada durante o sono da noite, acordava sempre, assim que pegava outra vez o sono tinha sensações estranhas. Na última vez que acordei, senti um clima esquisito no quarto, talvez um cheiro ou um vulto. Sei lá. Fiquei a espreita e fingi dormir. Fingi ressonar e senti algo apalpar minhas tetinhas. É sim. Costumo dormir só de calcinha. E às vezes nem isso. Abri o canto do olho e vi meu irmão ao pé da minha cama de cacete em punho e alisando meus mamilos. Os biquinhos enrijeceram e me deu um tesão maluco. Minha xoxota virou um rio caudaloso de tanto néctar a escorrer. Ressonei novamente e ele se recolheu e ficou em silencio. Aproveitei pra mudar de posição. Antes eu puxei o lençol e cobri minha calcinha e aproveite e puxei a calcinha de lado, deixando os beicinhos da bocetinha a mostra. Pelo menos os imaginei assim. Esperei uns segundos, ressonei de novo e abri as pernas e fiquei de barriguinha pra cima. Entrei em sono profundo.

Lá vem o tesudo do meu irmão de novo. O cacete até brilhava de tão duro. Estava a menos de trinta centímetros da minha cara. Ai que vontade louca de enfiar aquilo tudo na boca. Logo ele se interessou pela minha xaninha. A essa altura era uma lagoa, de tão meladinha que eu tava. Logo ele passou os dedos por ela toda. Depois carinhosamente se inclinou e começou a passar a língua quente pelos lábios vaginais. Não me aguentei de desejo, gemi e chupei cana. Delirei gostoso e me trai. Fábio olhou nos olhos e eles estavam tronchos de desejos. Ele se assustou e quis se recolher, mas rapidamente alcancei seu membro rígido e segurei com força desproporcional. Fábio se contorceu de dor e se jogou na cama sobre mim tentando aliviar a pressão. Coloquei todo aquele colosso de Rhodes dentro da boca. E papei tudo feito bebê. Mastigava, chupava, e lambia tudo ao mesmo tempo. Enlouquecida de desejo nem pensei nas conseqüências. Fábio estirou ainda mais o cacete e retirando e enfiando tudo na minha boquinha. Endoidou. Gemeu, inflou o peito, retraiu-se todo e soltou toda porra do mundo na minha boquinha. Engasguei com a primeira esguichada direto na minha garganta. Mesmo assim dei conta de engolir tudo. Estava tomada de tesão. Fábio saiu do quarto e eu fiquei a ver navios.

Retirei a calcinha e fiquei nua em pelo jogada na cama. Contorcia-me feito cobra. Parei de bundinha pra cima e sentia minha boceta arder em chamas. De repente sinto-me invadida por trás. Fábio debruçou seu corpo sobre o meu e me enterrou num golpe duro metade da vara dura na minha bocetinha. Senti o drama, mas não recuei de tudo. Apenas me pus de quatro e ofereci minha xoxota toda pra ele. Ele novamente me invade por trás e pacientemente me cavalga. Em estocadas vigorosas vai preenchendo todos os espaços vazios de minha grutinha. Acompanhando seu ritmo quente, balançava tresloucadamente minha bunda pra frente e pra trás. Fui sendo metida impiedosamente até alcançar o clímax. Gozei bastante.

Fábio se alongava numa foda interminável. Eu babava de prazer. Fui me deitando aos poucos na cama e Fábio acompanhava meu corpo. Fui torcendo o corpo e passei uma perna pro cima da cabeça dele e sem deixar o cacete escapar por completo, fiquei na posição de papai e mamãe. Abraçamos-nos e nos beijamos sofregamente. Gozava ainda quando Fábio ameaçou gozar. Retirei a pica de dentro de mim e levei sobre os meus peitinhos. Lambuzei-os de porra. Metemos a madrugada toda. E tem sido assim desde então. Só o cuidado de evitar um flagra de algum curioso.

O resto é desejo. O resto é tesão. Irmão com irmão a foda é muito mais tranquila e gostosa.

autora: Sandra Salto 15

créditos do contos: Jardim do Prazer

Powered by WPeMatico

Desvirginando um cú no menàge

Olá, meu nome é Marcos e o da minha esposa é Regiane. Somos um casal normal, transamos umas três vezes por semana. Certo dia estávamos combinando uma viagem para o litoral de Ubatuba. Como não temos filhos, resolvemos convidar um casal de amigos nossos, mas infelizmente, ou felizmente, somente a esposa do André, Valéria pode ir com a gente. Ele só iria no final de semana. Valéria e uma mulher muito recatada, mas tem um corpo muito bonito. Minha esposa também tem um corpinho muito bonito para sua idade, 38 anos.
Meu apartamento só tem um quarto, mas é muito grande. Tem duas camas de casal e duas de solteiro. Não tivemos opção a não ser dormir os três no mesmo quarto. Sou louco por sexo e naquela noite senti uma vontade enorme de dar uma trepadinha, mas minha esposa me alertou que a Valéria estaria no quarto junto. Eu disse para fazermos bem baixinho, então ela aceitou.
Esperamos ela dormir e demos uma rapidinha. Mas ao olhar para o lado, percebi que ela estava acordada. Não falei nada para minha esposa. Gozei gostoso só de imaginar outra pessoa nos olhando. No dia seguinte fomos para a praia. Para minha surpresa a Valéria estava com biquini bem sexy, principalmente para ela, que é recatada. Minha esposa, como de costume, com seu biquini atolado no seu rabo gostoso, percebi que muitas vezes era observada pela Valéria com um olhar meio estranho, de apreciação. Voltamos para o apartamento por volta das 18h, pois estávamos na praia há bastante tempo. Chegamos e fomos dormir um pouco para irmos a uma balada mais tarde.
Curtimos a noite toda na balada. Então percebi que a Valéria estava de olho na minha esposa. Percebia que as duas dançavam com os corpos se esfregando. Certo momento minha esposa veio até mim e disse que a Valéria bebeu de mais e que tinha tentado passar a mão em sua boceta. “Deve estar mesmo”, imaginei.
Fomos embora para casa. Ao chegar, Valéria ligou o som e começou a dançar como uma louca. Minha esposa entrou no embalo. Eu fiquei sentado no sofá, só olhando as duas agarradas dançando como se não tivesse ninguém ali. Meu pau começou a ficar duro só de imaginar as duas peladinhas na minha frente. De repente, Valéria puxou minha esposa pelo pescoço e deu-lhe um beijo de língua. Regiane olhou para mim assustada, mas só dei uma piscada dando-lhe permissão para que continuasse. As duas esqueceram de mim ali. Não acreditava no que estava vendo. Valéria começou a tirar a roupa. Que boceta linda! Toda raspada. Regiane acompanhando despiu-se também. Para minha agradável surpresa, Valéria pediu para que Regiane me chamasse para a brincadeira. Minha esposa olhou bem para mim e disse: “vem meu amor”.
Não pensei duas vezes, começamos a dançar os três juntos. Tirei minha roupa num piscar de olhos e logo já estávamos pelados. Valéria deitou no tapete da sala e disse: “vocês me deixaram louca a noite passada, agora vão ter que apagar meu fogo”. Minha esposa, que nunca tinha beijado sequer uma mulher, caiu de boca na boceta da Valéria e começou a lambuzá-la. Enquanto isso, Valéria olhou pra mim pediu para mamar no meu pinguelo. Antes de ela terminar de falar, já tinha em sua boca meu delicioso cacete.
Ficamos ali os três por um bom tempo revezando, até Valéria me olhar e dizer que seu marido nunca comeu seu cu. Regiane ficou espantada e deu risada. Falou pra ela ficar de quatro então ela teria o maior prazer de sua vida. Então deu uma boa lambida naquele cuzinho virgem — lindo mesmo—, me puxou perto dela e ficou passando a minha chapeleta na portinha da Valéria. Ela dava gritos de prazer. Fui colocando aos poucos até entrar tudo. Ela rebolava e dizia que estava adorando. Gozei umas duas vezes sem tirar de dentro. Minha esposa só ficou olhando e se masturbando gostoso na minha frente.

 

créditos do conto Jardim do Prazer

Powered by WPeMatico

Te conto um conto: De tia e mulher fiel à devassa incestuosa

Taradinhos e taradinhas,

Mais uma SEXXXta batendo (ui!) na porta. E nada melhor que começar com um conto erótico. ;)

E esse é quente! Uma tia que resolveu realizar o sonho do sobrinho tarado e cara-de-pau.

Confiram…

——————————————————————————————————

De tia e mulher fiel à devassa incestuosa

O que passarei a relatar a seguir ocorreu há bem pouco tempo, menos de seis meses. Ainda vivo sob a tensão dos fatos, pelos quais jamais imaginei passar.
Tomei a iniciativa de falar sobre o que aconteceu, aqui nesta página, depois de ler a experiência vivida por um rapaz que se denominou James e suas tias Sônia e Elisa. Fiquei muito impressionada com o que li e como as coisas que aconteceram comigo foram bastante semelhantes cheguei a remeter-lhe uma mensagem, para que pudesse conversar, com ele ou com suas tias, a respeito de nossa situação, mas não obtive resposta, infelizmente.
De qualquer maneira, haver tomado conhecimento do que aconteceu entre eles me fez bem pois, além de me encorajar a contar o que passei, me mostrou que não sou a única pessoa a cometer o que considero um erro, e o que me faz sentir-me uma mulher bastante confusa.
Meu nome é Magda, tenho 43 anos, advogada. Jamais, em meus 21 anos de casada havia tido qualquer experiência fora do casamento. Sempre fui uma mulher séria, recatada, dedicada esposa e mãe. Por esses motivos, o que houve, apesar de haver me envolvido complemente, me faz sentir sensações incomodas, como medo, culpa e vergonha.
Em meu escritório de advocacia trabalhamos entre três profissionais, uma delas minha irmã mais velha, Joyce, residente em Canoas, cidade vizinha a Porto Alegre, onde moro. Joyce tem 49 anos e é mãe de três filhos: Francisco, 28 anos, Adriana, 24 anos e André, o caçula, com 17 anos. Há um tempo atras, cerca de seis meses, em um domingo, em função de nosso trabalho, fui passar o dia na casa dela. Meu marido me levou de manhã cedo e passamos o dia trabalhando.
Quase ao final da tarde, meu marido telefonou dizendo que estava com dificuldades para me buscar e combinamos que alguém me levaria para casa. André, meu sobrinho, nem carteira de motorista tem, mas na sua ânsia de dirigir acabou convencendo Joyce e Pedro (meu cunhado) de que por, ser domingo e quase noite, não haveria problemas e eles acabaram permitindo. Era o destino preparando a peça que iria me aplicar.
Quando saímos percebi que ele estava eufórico, por poder dirigir. Passamos a conversar e ele dizia que sua idade era uma fase ruim, pois já tinha conhecimentos de muitas coisas sobre a vida, mas que a menoridade não lhe permitia viver.
No início falou sobre dirigir automóveis, viajar, etc, sobre namoradas e mulheres em geral, até desferir, como uma flecha, a frase que quase me fez desmaiar de surpresa e susto: – Não me sinto mais adolescente, tia Magda. A única coisa que me ata a adolescência é uma fantasia que tenho com a senhora. Coisa de sobrinho com tia. Fiquei perplexa: Como assim, André? que tipo de fantasia? o que você quer dizer, menino… – Fantasia sexual, tia Magda… e passou a dizer coisas sobre meu corpo, principalmente os seios e pernas. Fiquei apavorada, sem reação ao ouvir aquelas palavras. Jamais me imaginei naquela situação. Talvez pensando que meu silêncio era de aprovação ele passou a fazer afirmações mais arrojadas., inclusive dizendo que se masturbava pensando em mim. “Varias vezes, tia Magda, quando estou com a Vanessa (namorada dele) e nos acariciamos, penso ser a senhora e não ela que está ali.”.
Eu permanecia paralisada. Completamente apavorada com o que ouvia. Na entrada da cidade de Porto Alegre há um bairro industrial, passagem obrigatória para quem vem de Canoas. Como era domingo e noite, as ruas estavam absolutamente desertas. Ele estacionou o carro em um lugar mais escuro, e demonstrando certo temor com o momento falou: – Tia Magda, se a senhora quiser eu ligo o carro e vamos embora. Só lhe peço que não fale ao tio Sérgio e à mãe sobre o que aconteceu, mas gostaria de ficar um minuto e conversar sobre isso. -Esta bem, André. Mas seja rápido. Você sabe a loucura que significa tudo o que esta me dizendo. Fale tudo que tem a falar e depois vamos. E depois esqueceremos tudo que falamos. Certo? – Certo, Tia Magda. É importante para mim terminar de falar sobre isso. Me liberar e dizer o que tenho pra lhe dizer significa muito para mim, principalmente significa que apesar de jovem sou maduro o suficiente para enfrentar situações como essa. Por isso parei aqui. Por isso quero falar tudo. – Seja breve, André. A Joyce vai se preocupar com tua demora. E eu tenho medo destas ruas escuras e desertas. – O tudo não é muito, tia Magda. O tudo é que nem a Vanessa, nem a Giselle (minha filha), nem a Dihoga (prima dele, filha de minha outra irmã) que são gurias da minha idade, nem nenhuma outra guria da minha idade me desperta os desejos que a senhora me desperta. Desculpa o termo, tia Magda, mas tenho que dizer: tudo em ti me dá uma “tesão” incontrolável… tuas pernas, teus seios, tua boca…
Eu não conseguia olhar para ele. Um carro passou por nós. Segui o carro com o olhar, mas uma frase me fez fitá-lo com um misto de indignação e surpresa: – A tua boca, tia Magda… mil vezes, escondido no banheiro, beijei tua boca. Mil vezes senti teus labios beijando meu peito….tua lingua molhando…..meu pescoço….minha barriga…meu… – Andre….murmurei… – Mil vezes, tia Magda, no silêncio do meu quarto beijei teus seios… mil vezes, demoradamente mamei em teus seios, acariciando tuas pernas, tuas coxas, tuas nádegas. Mil vezes, tia Magda, gozei demoradamente sentindo tuas mãos tocarem meu membro duro, quente e latejante, que eu mesmo massageava… Mil vezes, Tia Magda, te ofendi com palavras xulas e grosseiras. Mil vezes, te imaginando com meu membro inteiro em tua boca, te chamei de puta, vagabunda, chupadora de piça. “Tia, me chupa”, muitas vezes murmurei baixinho, sob as minhas cobertas, te imaginando ali comigo. Muitas vezes, imaginando tuas pernas abertas e tua vagina totalmente umedecida, esperando minha penetração, te ouvi dizer “me fode, André… me fode cachorrinho da tia…”.
Ele desligou o rádio que tocava baixinho uma música instrumental e fez um estranho pedido: – fala isso, tia… fala assim… para eu guardar o som das tuas palavras e usa-lo nas minhas noites de fantasia. – O que você quer que eu fale, Andre? – Aquelas palavras que eu disse que imaginava a senhora falando…pedindo.
Olhei no fundo dos seus olhos e senti que não havia desrespeito em seu pedido. Havia um grande devaneio. Quase instintiva e automaticamente, a meia voz, procurando dar a entonação que imaginei que ele gostaria, olhando-o firmemente, falei: “- me fode, André… me fode cachorrinho da tia…”.
Seus olhos brilharam…faiscaram e disse: “como eu gostaria que a senhora estivesse pedindo isso de verdade. Repete, tia… repete, por favor…”. “… me fode, André… me fode cachorrinho da tia..”, repeti.
Um carro da Polícia Militar dobrou da esquina, despertando minha atenção. Olhei no relógio e vi que já fazia quase meia hora que estávamos ali. Pedi para irmos. Ele ligou o carro, saiu e depois de um pequeno intervalo de silêncio disse uma coisa que confirmou minha impressão anterior: – Tia, quero que me entenda. Não há nem um pingo de desrespeito no que lhe falei. São coisas da natureza humana, do sexo. Falava de uma forma educada. Me surpreendi, novamentre, com a maneira que tratava o assunto; elegantemente, como um adulto. Continuou: “Por um acaso do destino tu és minha tia. E se o fato de seres minha tia acrescenta uma grande dose de erotismo em tudo, minha fantasia não é apenas por isso. O parentesco me excita, o fato de seres mais velha que eu e casada também me dá tesão. Mas me excita também o teu rosto moreno, tua boca, os teus seios, as tuas pernas, as tuas coxas, as tuas mãos… tudo no teu corpo que pode ser instrumento de sexo e prazer.”.
Eu ouvia aquilo sem compreender onde aquele menino aprendera a falar daquela maneira. Com apenas 17 anos, suas palavras e seu raciocínio eram inteligentes e cultos. Certamente influência da Joyce, que sempre foi inteligente e culta e passou para o filho o hábito da leitura.
Ele parou em uma sinaleira, já estávamos em uma rua movimentada, e falou que iria pedir uma coisa, mas que tinha deixado para pedir quando estivéssemos numa rua movimentada para me mostrar que não estava querendo forçar nada. Fiquei um pouco contrariada pois pensei que aquela situação estava se encaminhando para o final, mas mesmo assim perguntei o que era…
O que ele pediu entrou como um vendaval na minha cabeça, mas ele novamente foi eloqüente ao falar, me envolvendo com argumentos que me levaram a concordar: É que eu tenho no meu cérebro, tia Magda, duas coisas com as quais posso dar mais veracidade às minhas fantasias com a senhora. A primeira delas a senhora não sabe, pois obtive sem teu conhecimento… Fiz uma cara de curiosa… “… é a imagem, tia. Imagem da senhora de biquíni. Guardo como uma fotografia, nas vezes que lhe vi na piscina e na praia, as tuas pernas, as tuas coxas e… a tua bunda… A Segunda a senhora me deu hoje… o som. Guardarei gravadas no meu pensamento aquelas palavras. Assim, tia, tendo a imagem e o som eu queria ter o tato…
A princípio não entendi direito o que ele queria e por isso perguntei: – “ Como assim, André?”… ao que ele respondeu: “eu queria te tocar… para juntar a textura da tua pele ao som das tuas palavras e à visão do teu corpo…”. Mesmo sentindo que estava indo longe demais, concordei.
Ele retornou e tomou o caminho do lugar em que havíamos parado, umas três quadras antes. Foram dois ou três minutos de silencio. Estacionou e desligou o carro. Na penumbra, apenas a luz da rua, num poste um pouco distante, permitiu que eu visse a expressão do seu rosto quando colocou a mão na minha face e, passando o dedo sobre meu lábio, disse: “Tia Magda, hoje é o dia mais feliz da minha vida…”. Dei um leve sorriso e beijei levemente sua mão, respondendo: “Então entenda minha situação e seja rápido.”. Estava um pouco trêmulo. Acariciou minha face, voltou a passar o dedo polegar em meus lábios, entrelaçou meus cabelos; com doçura pegou o lóbulo de minha orelha, tocou com a palma da mão em meu pescoço. Eu estava com o pensamento longe…não sabia o que pensar daquela situação…procurava explicar para mim mesma porque permitia aquilo, quando ele deslizou a mão sobre meu ombro e fez cair a alça de meu vestido, deixando meu seio totalmente a descoberto. Fiz menção de reerguer o vestido, mas antes que pudesse fazer isso ele passou delicadamente a palma da mão no bico do meu seio e perguntou: – Posso ? Sem falar, fiz sinal com a cabeça que sim. Por alguns segundos ele continuou a acariciar o biquinho com a palma da mão até que, fechando-a, apertou meu seio, que é bastante volumoso. Talvez por alguma expressão de meu rosto perguntou-me: – Doeu, tia? – Não… respondi com voz trêmula.
O diálogo que travamos naquele momento pode ter eliminado os temores que ele ainda tivesse de que eu reagisse ao seu assédio: – Agora, André, olhando e tocando nos meus seios você vai ver porque uma mulher de 43 anos não pode lhe despertar mais desejos do que a Vanessa, a Giselle e a Dihoga, ou meninas na idade delas. – Porque? – Porque os seios das meninas entre 16 e 20 anos são mais bonitos do que os de uma mulher na minha idade. Sem contar que amamentei a Giselle até quase dois anos. “- Tia, teu seio parece de uma mocinha…”. Sorri, e ele com a outra mão desceu a outra alça do vestido, passando a acariciar ambos os seios ao mesmo tempo. Após um determinado tempo, segurou meu rosto entre suas mãos e perguntou: – Tia, deixa eu beijar a tua boca? Não tive tempo de dizer nada. Sofregamente ele me beijou de uma maneira que jamais havia sido beijada. Demoramo-nos num beijo ardente. Apenas, por um segundo, ele parou de me beijar, para levantar sua camisa, de maneira que pudesse roçar seu peito em meus seios. Descontrolado, ele beijou meus lábios, meu pescoço, até descer e sugar avidamente meus mamilos. Perdoem a redundância, mas era mesmo descontroladamente a maneira como beijava, mordiscava e sugava meus seios… Tive medo de ficar com marcas. Pedi que parasse. Ele ainda beijou suavemente mais alguns segundos e me olhou…: “tia…eu não acredito que mereci tudo isso…”. – Vamos…, pedi. – Só um segundo mais, tia Magda… deixa eu fazer um carinho nas tuas pernas e nas coxas? – Rápido, André… Já faz quase uma hora que saímos da tua casa… – O tio não sabe que horas nós saímos de lá… – Mas a Joyce sabe… – Tenho muitas desculpas para dar pra mãe e explicar a demora. A última coisa que ela ia imaginar é que eu demorei porque fiquei aqui de amasso com a senhora. Aquela palavra me soou estranhamente. Comentei com ele: “André, isso que você falou, “ficar de amasso comigo”, me fez sentir uma coisa engraçada… me sinto uma adolescente.”. Ele colocou minha perna em seu colo, descalçou meus sapatos e acariciou meu pé, meu tornozelo e foi acariciando minha perna, em silêncio, até chegar na minha coxa.
Nesse momento cometi o maior erro de minha vida: ao acariciar a parte superior da minha coxa ele roçou levemente um dos dedos na minha vagina. Sem me dar conta do que significava o gesto, reclinei-me ainda mais sobre o banco e fiz uma leve abertura de pernas e ele, evidentemente, entendeu que eu estava desejando aquela carícia. Sem hesitar, colocou a mão por baixo da minha calcinha e vi que se surpreendeu com uma coisa. Nem eu havia me dado conta, mas eu estava num estado de excitação tão grande, embora inconsciente, que minha lubrificação vaginal era enorme. Estava totalmente encharcada. André passou varias vezes a mão em minha vagina, aumentando ainda mais a lubrificação e minha excitação.
Quando eu ensaiava uns movimentos para acompanhar sua mão ele a retirou, completamente molhada, do meio de minhas pernas, cheirou e molhando a pontinha do meu nariz com meu próprio líquido vaginal, perguntou: – Tia Magda, isso quer dizer que não esta sendo bom apenas para mim? – Claro, André… – Vamos para um motel, tia? – Não, André… isso não…. – Mas a senhora quer ter prazer? quer gozar? – Eu to tendo prazer, André….faz um pouquinho mais e vamos embora… estamos demorando muito… – Então me diz que a senhora quer um pouco mais…que tá gostando…. que tá bom… – Eu já falei, André….faz um pouquinho mais…. depois vamos… Ao sentir que eu estava envolvida com o momento, ele apressadamente arriou minha calcinha e ai, então, sem o incomodo da roupa, passou a massagear fortemente minha vagina. Intercalando com os movimentos, colocava o dedo médio dentro de mim, fazendo com que eu soltasse pequenos inaudíveis sussurros, claras manifestações de prazer.
Jamais senti tamanha sensação de prazer físico. Passava pela minha cabeça a loucura que estava cometendo, mas o sexo foi mais forte. – Aaaiii, André… tu vai me matar…. Andrééé… tu vai me levar à loucura… Ele, sem tirar o dedo de dentro de mim, aproximou-se ainda mais de meu corpo e, aumentando o compasso das estocadas manuais, passou a alternas beijos em meus seios e na boca… “Não me marca, André… não chupa com muita força minhas tetas..”.
Me dei conta de que estava, inclusive adotando outro vocabulário, até que, despudoradamente falei: – Forte, André… mais forte…com a mão….na buceta, André…forte na buceta… mais fundo, André…. eu vou ter orgasmo, André…. faz assim na tia…. aaiii….Aaanndréé….mais…mais forte… ai, meu filho adorado… meu amado… que a Joyce nos perdoe… que o Sérgio me perdoe… forte…forte… esfrega, André… na buceta….aaii… a buceta… ai… é gostoso… ai… assim… faz…. aaaiiii, André…. Giselle, minha filha…. me perdoa… a mãe enlouqueceu… teu primo me enlouqueceu…. aii, André… me faz ter prazer… me dá prazer… eu quero ter prazer…. faz a tia gozar…. faz a tia gozar…meu filho querido…aiiiii…..Andrééé… agooraaa….
Ao ver o banco do carro totalmente manchado com meu gozo me bateu um desespero. -André, olha só a sujeira…..vamos num postos limpar isso aqui… – Tia, não esquenta. esse carro só vão usar amanha…quando já estará seco. Se ficar manchado eu digo que derramei cerveja ou refri. – Tá bem, André, mas não esquece de dar uma limpada no carro, mesmo assim…. pode ficar o cheiro. -Tia Magda, a senhora não é a única mulher no mundo que goza. Se a mãe e o pai notarem algo vão pensar que foi a Vanessa. Afinal, é mais natural que eu tenha transado com ela do que com a senhora. – Fico preocupada. Recoloquei a calcinha e pedi para irmos embora. Tive a impressão de que ele atenderia imediatamente, mas me olhou com olhos de quem implora e perguntou se não merecia um carinho igual ao que me havia feito. Perguntei-lhe o que desejava, ele baixou a bermuda que usava, fazendo saltar aos meus olhos seu membro viril. Segurando minha mão, falou: “agarra, tia…” Segurei, e sem saber o que fazer iniciei um lento movimento de vai-e-vem, como se o estivesse masturbando.
Ao toca-lo senti-o como ele o sentia, segundo me havia dito, quando se masturbava pensando em mim: duro, quente e latejando. Um mastro ereto, a glande roseada e reluzente, abaixo uma haste rígida de veias e sangue. – André, não sei porque estou fazendo isso. Jamais segurei ou olhei um pênis que não fosse o do seu tio. Ele segurou minha cabeça e puxou-a de encontro ao seu colo. Tentei resistir: – não André… isso não… Ele ignorou e delicadamente forçou um pouco mais minha cabeça, até que meu rosto se aproximou de seu membro. Ele levantou-se um pouco do banco do carro, fazendo com que a cabeça do membro tocasse em meus lábios. Sem pensar no que estava fazendo, passei milha língua em torno dela e abocanhei aquele pênis volumoso e quente, arrancando de André uma expressão chula, mas que demonstrou toda sua excitação: – Puta que pariu ! Que tesão, tia… não pára… por favor não pára de chupar.
Foi o que fiz. Fiquei chupando por alguns minutos, até que ele mesmo tirou-o de minha boca e falou: – Tia, o que está acontecendo aqui é a realização da minha fantasia mais impossível…. do meu desejo mais louco… eu queria por em prática tudo o que imaginava quando me masturbava pensando na senhora. – Que mais tu queres além disso, André ? -Quero poder falar aquelas coisas meio agressivas que eu imaginava lhe dizer. Fiquei confortada ao ver que mesmo depois de todas as liberdades que eu havia permitido ele ainda tinha respeito por mim. – Fala, André…pode falar… – Foi como se toda a volúpia daquele rapaz se derramasse sobre mim naquele momento: – Então engole essa piça, puta sem vergonha. – Chupa o pau do teu sobrinho, vagabunda ordinária. – Cadela, chupadora de piça. Senti seu gozo próximo. “ tu vais gozar na minha boca, André?” – Vou, tia… ou a senhora quer outra coisa… Fez-se um segundo de silêncio e ele voltou a falar: – Diz alguma coisa, tia Magda… A frase estava pronta… ele mesmo houvera colado na minha cabeça. Apenas balbuciei: “… me fode, André… me fode cachorinho da tia…”. – Não brinca, tia…diz uma coisa que a senhora quer mesmo… – Me fode, André… me fode, cachorrinho da tia… – Eu quero que a senhora diga algo que esta desejando de verdade. – Não era isso que você queria escutar de mim, de verdade? Me fode, André… me fode, cachorrinho da tia… Estou falando de verdade…
Ele ergue-se rapidamente e com gestos decididos me fez deitar sobre o banco reclinado. Tirou novamente minha calcinha, levantou o vestido, abriu-me as pernas e, com o membro duro, quente e latejando, colocou-se entre elas.
Pela primeira vez na vida eu estava sendo penetrada por um homem que não o meu marido. Pela primeira vez minha gruta vaginal abrigava um pênis que não era do homem com quem casei.
Foram os momentos mais loucos que vivi. Entre beijos e palavras obscenas fazíamos movimentos que aumentavam ainda mais a sensação de prazer carnal que sentiamos. Aquele pequeno carro estava sendo a alcova da mais alucinante cena de sexo que jamais pensei viver. Ele procurava varar minhas entranhas com estocadas fortes, firmes. Cada estocada parecia rasgar minha vagina. Nossos movimentos foram se apressando, até após uma estocada ele soltou um urro “huunnrrr… tia…eu to gozando…”. “Goza, André…goza tudo dentro da tia…. não pára.. não pára… mais…forte… Senti sua ejaculação dentro de mim.
Tivemos um orgasmo demorado e profundo. Ele recostou-se na banco do motorista e tive medo que adormecesse. Pedi que pusesse a roupa para, agora sim, irmos. Também me vesti. Enquanto colocava a calcinha sentia o sêmen escorrendo em minhas coxas…mas agora era tarde para pensar em como limpar tudo aquilo. Seria pior demorarmos mais. – André… nem camisinha a gente usou, ainda comentei.
Embora relatando não pareça, foi tudo muito rápido. Não mais do que 15 ou 20 minutos. Mas esse pequeno espaço de tempo foi suficiente para uma longa viagem de erotismo e de sexualidade. Em minha vida pacata de mulher casada, esposa fiel e mãe dedicada, nunca poderia imaginar o delírio de um gozo proibido, de um orgasmo pecador. É certo, como disse no início, que meus sentimentos com relação ao que aconteceu são confusos e as vezes desconfortáveis O medo de ser descoberta, o arrependimento, a culpa, a vergonha, as vezes pesam sobre mim. Mas é certo, também, que conheci sensações que jamais imaginei existirem. A luxuria, a volúpia e a libidinagem que caracterizam esse inusitado relacionamento entre tia e sobrinho fugiram ao meu controle porque foram momentos de grande lascívia e sensualidade, que me propiciaram como disse antes, orgasmos profundos e demorados, cheios de gozo e prazer.
Sei que não há justificativa para o que fiz, mas é como explico a mim mesma o que levou uma esposa fiel, uma mãe dedicada, uma senhora honrada e séria, a adotar o comportamento de prostituta devassa, despudorada e permissiva.

——————————————————————————————————

Safadinha!

Semana que vem tem mais. E se quiserem contribuir com suas histórias, mandem para [email protected].

Bom fim de semana minhas delícias!

Beijocas

Powered by WPeMatico

Ela recebe salário para gozar – quem é a testadora de produtos eróticos

O site anunciou uma vaga de emprego para testar sex toys. Sete mil mulheres se candidataram em uma semana

Mariana Blac é o pseudônimo da paulistana que derrubou sete mil candidatas a uma vaga de emprego. E você aí achando que difícil mesmo é entrar no curso de medicina da USP, com 51 inscritos por vaga… Tudo começou com um anúncio de jornal que ganhou as redes sociais: “Procura-se testadora de produtos eróticos”. Em uma semana, devido à demanda inesperada, encerraram-se as inscrições. O contratante era o site Sexônico, uma espécie de Google dos sex toys. Ele funciona como um buscador – basta digitar o produto para visualizar fabricantes, preços e resenhas. Mariana preencheu o formulário virtual, colocou a pretensão salarial e anexou seu currículo. Aos 26 anos, formada em jornalismo, ela trabalha como analista de mídias sociais em uma agência de publicidade.

Na fase final da seleção, lhe pediram uma resenha de algum brinquedinho que tivesse em casa. Mariana escreveu sobre as bolinhas de pompoarismo. O ex-namorado não gostava muito da ideia de dividi-la com outro pênis (ainda que de borracha). “Ele tinha preconceito com vibradores, sabe como é…” Para apimentar a relação, o jeito era recorrer a cosméticos como óleos sensuais e géis aromatizantes. Agora Mariana está solteira e, portanto, vai abusar dos consolos e tudo que puder ser usado solitariamente. Assim que foi eleita pela empresa, ela recebeu uma caixa com 15 produtos eróticos (que não serão sorteados nem reutilizados, ufa). Poderia escolher qualquer um para começar a maratona de testes. Vibrou com o Rabbit, o famoso e caro aparelhinho. Mariana me disse que poderia casar com ele de tão fantástico e mandou um trecho da resenha que será publicada:

“Ai, ai… Eu vou suspirar por esse vibrador por muito tempo! O Rabbit definitivamente não é um brinquedo erótico comum. É o produto que merece ser tratado com seu maior carinho. Produzido com um material macio, maleável, que parece ter qualidade para durar eternamente, o Rabbit assusta à primeira vista. O brinquedo é grande. E bota grande nisso! Consistente e volúvel, parece que ele nunca vai encontrar seu par perfeito. Mas pode ter certeza: você tem espaço suficiente para encaixar todo esse talento entre suas pernas”.

O perfil no Facebook da personagem Mariana Blac, a testadora de produtos eróticos, criada por uma jornalista paulistana

A testadora trabalha de casa, depois do expediente na agência. Recebe um salário de R$ 2 mil e não precisa bater ponto (só outras coisas). Taí porque a vaga foi tão concorrida – até uma senhora de 60 anos se inscreveu. Mas nem tudo são bons orgasmos. Os pais de Mariana acharam que se tratava de outra piada da filha. O chefe do emprego convencional nem imagina como ela complementa a renda. E ela receia que não vá encontrar namorados tão compreensivos. Mas a profissão já está fazendo com que ela conheça melhor o próprio corpo e desenvolva sua sexualidade. “Não que eu fosse fanática por brinquedos eróticos”, diz Mariana. “Talvez agora eu fique…” Coitados dos vizinhos!

Powered by WPeMatico

Campeões da sacanagem em São Paulo

O Sexpedia elegeu os campeões em três categorias de sexo

Olha só que bacana: o Sexpedia foi convidado para eleger os campeões em três categorias de sexo no especial “O Melhor de São Paulo”, da revista ÉPOCA São Paulo. Eu revisitei sex shops, selecionei os produtos mais interessantes, fiz aula de sensualidade e até experimentei uma massagem tântrica (sim, “lá” mesmo). Tudo para adiantar a vida do leitor, que não merece passar pelo calvário até encontrar o melhor do melhor. Pode confiar no meu taco – ainda que eu não tenha um. A edição já está nas bancas, com 182 vencedores em restaurantes, bares, baladas, beliscos, bem-estar, diversão, consumo e serviços. O Sexpedia adianta aqui os lugares que vão te dar todos os ingredientes para você comer bem. Em casa.

Escola de sensualidade
Constantine

As cadeiras têm estampa de oncinha. As ferramentas de ensino não são lousas e livros, mas um espelho, uma barra de pole dance, um pênis de borracha. Na sala de aula, anexa à loja de roupas e acessórios eróticos Constantine Boutique, mulheres registram a teoria em cadernos e bloquinhos. Tomam nota da anatomia masculina, dos exercícios para fortalecer a vagina, dos cosméticos mais indicados para uma massagem estimulante, dos truques para disfarçar as gordurinhas na hora do strip-tease. Muitas são casadas. Outras, ainda na pista, já cansaram da mesmice na cama. Tímidas ou descoladas, comparecem às aulas em busca de instrumentos e artifícios para apimentar a relação ou aumentar a intimidade com o parceiro. As professoras esclarecem dúvidas inconfessáveis com bom humor e naturalidade.

Solte suas feras: professora de strip ensina aluna sobre a arte de tirar a roupa

A maioria dos oito cursos, com duração de três horas cada (R$ 200), inclui uma parte prática. Técnicas para tirar a roupa, coreografias para fazer com a barra e rudimentos de massagem tailandesa (feita com pés,nádegas e seios) estão entre as valiosas estratégias ensinadas. Na programação, montada pela psicóloga Luciana Keller, proprietária da butique, há disciplinas diretamente ligadas à arte da sedução, como massagem sensual, pompoarismo, strip-tease e pole dance, e outras que ajudam a melhorar o desempenho em si, como o curso Segredos do sexo, com dicas para fazer um oral imbatível e um anal sem traumas. Para as menos criativas, o curso Mala de motel apresenta produtos que provocam os cinco sentidos na hora da farra.

• R. Gaivota, 1.311, Moema, tel. 5042-2760, constantine-sp. com.br. Seg. a sex. 10h/20h; sáb. 10h/19h.

Massagem íntima
Spaço Tantra

O sobrado não tem placa: é preciso se identificar ao interfone. A decoração, com motivos indianos, e a música lembram as de um spa. As massagens (R$ 300 por uma hora e meia) usam conceitos como chacras e energia vital para, entre outros benefícios, tratar ejaculação precoce e falta de ereção (no caso dos homens) ou ausência de libido e de orgasmos (mulheres). Dhara é terapeuta. Conduz a repórter a uma sala reservada. “Pode ficar nua e deitar de bruços”, diz. Banhadas em óleo, suas mãos percorrem o corpo da cliente. Pressionam, dedilham, desenham de leve com as pontas dos dedos. Arrepios surgem nos lugares menos prováveis. A cliente é, enfim, convidada a se virar. Agora, dhara busca sua yoni (nome da vagina no tantra). Despreza o clitóris para se concentrar na musculatura ao redor: áreas quase sempre esquecidas do genital. Quando o orgasmo vem, a duração e a intensidade são maiores do que as habituais. A repórter adormece, mas logo desperta. “Foi bom para você?”, Dhara quer saber.

R. Flórida, 687, Brooklin, tel. 5041-1344, spacotantra.com.br. Seg. a dom. 9h/22h.

Sexshop
Revelateurs

Uma loja sem-vergonha, em todos os sentidos. Quando as irmãs Ana Maria e Ana Paula Delarcina abriram a butique Revelateurs, em 2001, a intenção era exatamente esta:ter um espaço para vender lingerie e brinquedos sexuais sem causar constrangimento. Na discreta esquina ocupada pela loja, em Moema, não há letreiro em néon nem cartazes pornográficos. Amplo e clean,o salão tem duas araras com peças de extremo bom gosto (corselets, meias 7/8 e luvas, entre outros adereços) e fantasias inspiradas em variados fetiches. Num canto,prateleiras abrigam produtos e acessórios para apimentar o sexo. Nada de consolos de borracha. Nos toys da Revelateurs, design, tecnologia e materiais surpreendem.há até um vibrador de ouro,à venda por R$ 8.720.

R. Gaivota, 1.502, Moema, tel. 5561-9552, revelateurs.com.br. Seg. a sex. 9h30/19h; sáb. 10h/18h.

* Os brinquedinhos que selecionei na Revelateurs:

Music ViBe
Exclusivo, o vibrador vem com uma estação para iPod e vibra ao ritmo da música. R$ 698

We ViBe 3
Dupla estimulação: uma ponta toca o clitóris e a outra, o ponto G. R$ 599

Lyla
Massageador feminino silencioso, é acionado por controle remoto. R$ 798

Tenga EGG
Masturbador masculino, tem orifício para o pênis e simula sexo oral. R$ 39

Powered by WPeMatico