Incesto: Tesão (com trepada) entre irmãos

As vezes o tesão fala muito mais alto que a razão!
Este é um desses casos. E, sem culpa nenhuma, os irmãos agora trepam toda a noite.

Como tudo começou? Dá uma lida!

 

Incesto: Tesão (com trepada) entre irmãos

Sou Tatiana, uma menina tímida e apesar de me achar muito gostosa, não sou provida de muita beleza. Todos me acham linda, menos eu. Tenho muitas sardas e frequentemente aparecem espinhas e cravos no meu rosto. Tenho verdadeiro horror a isso. Sou uma menina sonhadora e meu sonho maior é ser arrebatada nos braços de um príncipe, num cavalo branco.

Tudo bem, acordemos pra realidade. Se bem que sonhar é que move o nosso espírito. O homem mais lindo do mundo não pode ser meu. Porque é meu irmão Fábio. Tenho verdadeira adoração por ele. Às vezes me pego observando sua “mala” logo pela manhã quando ele acorda, uma amiga me contou que isso é “tesão de urina”. Assim que ele mija passa. Divago a imaginar meu irmão cavalão de pernas abertas no banheiro, mijando. Sempre escuto o barulho e parece uma cachoeira desabando do morro. Pelo barulho, ele deve ter um cacete enorme.

Apesar dos meus pensamentos obscenos, eu nunca dei trela a ele e isso tudo aqui é apenas um desabafo. Mas esta semana eu tive uma surpresa. Sentia-me incomodada durante o sono da noite, acordava sempre, assim que pegava outra vez o sono tinha sensações estranhas. Na última vez que acordei, senti um clima esquisito no quarto, talvez um cheiro ou um vulto. Sei lá. Fiquei a espreita e fingi dormir. Fingi ressonar e senti algo apalpar minhas tetinhas. É sim. Costumo dormir só de calcinha. E às vezes nem isso. Abri o canto do olho e vi meu irmão ao pé da minha cama de cacete em punho e alisando meus mamilos. Os biquinhos enrijeceram e me deu um tesão maluco. Minha xoxota virou um rio caudaloso de tanto néctar a escorrer. Ressonei novamente e ele se recolheu e ficou em silencio. Aproveitei pra mudar de posição. Antes eu puxei o lençol e cobri minha calcinha e aproveite e puxei a calcinha de lado, deixando os beicinhos da bocetinha a mostra. Pelo menos os imaginei assim. Esperei uns segundos, ressonei de novo e abri as pernas e fiquei de barriguinha pra cima. Entrei em sono profundo.

Lá vem o tesudo do meu irmão de novo. O cacete até brilhava de tão duro. Estava a menos de trinta centímetros da minha cara. Ai que vontade louca de enfiar aquilo tudo na boca. Logo ele se interessou pela minha xaninha. A essa altura era uma lagoa, de tão meladinha que eu tava. Logo ele passou os dedos por ela toda. Depois carinhosamente se inclinou e começou a passar a língua quente pelos lábios vaginais. Não me aguentei de desejo, gemi e chupei cana. Delirei gostoso e me trai. Fábio olhou nos olhos e eles estavam tronchos de desejos. Ele se assustou e quis se recolher, mas rapidamente alcancei seu membro rígido e segurei com força desproporcional. Fábio se contorceu de dor e se jogou na cama sobre mim tentando aliviar a pressão. Coloquei todo aquele colosso de Rhodes dentro da boca. E papei tudo feito bebê. Mastigava, chupava, e lambia tudo ao mesmo tempo. Enlouquecida de desejo nem pensei nas conseqüências. Fábio estirou ainda mais o cacete e retirando e enfiando tudo na minha boquinha. Endoidou. Gemeu, inflou o peito, retraiu-se todo e soltou toda porra do mundo na minha boquinha. Engasguei com a primeira esguichada direto na minha garganta. Mesmo assim dei conta de engolir tudo. Estava tomada de tesão. Fábio saiu do quarto e eu fiquei a ver navios.

Retirei a calcinha e fiquei nua em pelo jogada na cama. Contorcia-me feito cobra. Parei de bundinha pra cima e sentia minha boceta arder em chamas. De repente sinto-me invadida por trás. Fábio debruçou seu corpo sobre o meu e me enterrou num golpe duro metade da vara dura na minha bocetinha. Senti o drama, mas não recuei de tudo. Apenas me pus de quatro e ofereci minha xoxota toda pra ele. Ele novamente me invade por trás e pacientemente me cavalga. Em estocadas vigorosas vai preenchendo todos os espaços vazios de minha grutinha. Acompanhando seu ritmo quente, balançava tresloucadamente minha bunda pra frente e pra trás. Fui sendo metida impiedosamente até alcançar o clímax. Gozei bastante.

Fábio se alongava numa foda interminável. Eu babava de prazer. Fui me deitando aos poucos na cama e Fábio acompanhava meu corpo. Fui torcendo o corpo e passei uma perna pro cima da cabeça dele e sem deixar o cacete escapar por completo, fiquei na posição de papai e mamãe. Abraçamos-nos e nos beijamos sofregamente. Gozava ainda quando Fábio ameaçou gozar. Retirei a pica de dentro de mim e levei sobre os meus peitinhos. Lambuzei-os de porra. Metemos a madrugada toda. E tem sido assim desde então. Só o cuidado de evitar um flagra de algum curioso.

O resto é desejo. O resto é tesão. Irmão com irmão a foda é muito mais tranquila e gostosa.

autora: Sandra Salto 15

créditos do contos: Jardim do Prazer

Powered by WPeMatico