Mais de 70% das mulheres são apaixonadas por futebol – diz pesquisa.

Sim, elas gostam de futebol. Claro que entendem. Sabem a escalação do time, sim. Do delas, do meu, do seu. A mulherada representa 33% dos super fãs de futebol e 72% elegeu o esporte como primeira paixão, segundo o Ibope – derrubamos o clichê machista de que futebol não é para mulheres.

FAN

“Futebol é coisa de homem”

Homens são mesmo loucos por futebol. E quem diz isso são os números: 82% dos brasileiros citaram o esporte como a primeira paixão, em pesquisa feita pelo Ibope em 2013. Nenhuma surpresa, certo? Mas os números também revelam uma realidade que talvez você não conhecia: 72% das mulheres também elegeram o futebol como primeira paixão. Pois bem. Elas estão cada vez mais se interessando ou assumindo gosto por esportes em geral: 47% dos fãs de MMA são mulheres, também segundo o Ibope.

Mulher não entende nada de futebol”

É uma frase famosíssima, culturalmente propagada por pais, mães, avós, homens e mulheres machistas. A própria produção cultural do país costuma considerar as mulheres como parte desse meio com papeis de torcedoras, mães, namoradas, e raramente como jogadoras.

Os esteriótipos são conhecidos, como a masculinização das mulheres que entendem de futebol e a ideia de que mulheres bonitas não entendem nada ou não podem ser levadas a sério. O que é uma grande besteira, visto que podemos citar inúmeros nomes conhecidos de mulheres ligadas ao esporte que representam muito bem os dois times. As jornalistas e apresentadoras Renata Fan (que foi modelo e Miss), Glenda Kozlowski (em programas de esporte há 22 anos), Michelle Giannella (do Mesa Redonda, na TV Gazeta, o mais antigo programa do gênero), Gabriela Pasqualin (da RedeTV!), entre muitas outras.

Maria Clara Ciasca é a única mulher na redação do GloboEsporte.com. A redação tem cerca de 20 homens, mas ela não sofre preconceito por ser mulher: “No meu caso, é super tranquilo. Desde o primeiro dia, o pessoal me trata com muito respeito e eu nunca me senti mal com nenhum tipo de brincadeira. Pelo contrário, eu entro na deles e brinco também”, conta.

Camila Mattoso, repórter da ESPN, conta que a redação tem apenas quatro mulheres. E além de escrever, Camila também joga futebol: “Comecei quando era criancinha, ficava jogando no meu prédio sempre só com meninos, porque não tinha mais ninguém para me acompanhar. Tentei ajudar as meninas a jogarem bola também, mas não deu muito certo”, brinca.

O pior, para Camila, não são as brincadeiras, mas sim as situações constrangedoras com entrevistados: “Já aconteceu e ainda acontece de eu ligar para o cara e ele chamar para sair, para jantar; já tive que dizer que tenho marido e filhos; explicar que eu não queria nada além de notícias. É complicado”, revela

.futmulher

Lugar de mulher é na cozinha”

É outra frase clássica. E Maria Clara conta que já ouviu uma dessa: “Comigo, só aconteceu uma vez de um torcedor na arquibancada gritar para mim que lugar de mulher é atrás do fogão e não no estádio. Eu dei risada”. É verdade que muitas mulheres evitam frequentar os estádios por ainda considerarem um lugar perigoso – o que também não deixa de ser verdade, em partes.

Certa vez li um texto da jornalista Fernanda Zaffari falando da relação entre mulheres e futebol, com humor, e tomei a liberdade de citar um trecho aqui: “Estádio de futebol ainda não é teatro ou cinema e é preciso se adaptar a certas especificidades. Afinal, eles chegaram primeiro.

O que NÃO fazer antes, durante ou depois de um sexo casual

Tomar banho, usar a escova de dentes do cara, se enrolar pra ir embora. Veja as coisas que você não deve fazer durante ou depois do sexo casual.

Sexo é bom e todo mundo gosta. E quando a gente não tem um parceiro fixo, as opções são poucas (ou muitas, dependendo do ponto de vista, né?). Rola ficar nos brinquedinhos, assistir a um filme ~inspirador~, chamar o “amigo com benefícios” ou, de repente, ter uma one night stand – trocando em miúdos, uma noite de sexo casual.

Tá tudo muito bom, a noite foi ótima. Pode ser que role outra dessas. Pode ser que vingue um casinho. Pode ser que tenha sido só uma noite mesmo, mas uma noite legal, pra ficar na memória. Mas para isso tem algumas regrinhas de “etiuqueta do sexo”  que é pra evitar que você seja aquela chata que o cara não quer ver nem do outro lado da rua. Então se liga nas coisas que você NÃO deve fazer durante o sexo casual. Nem depois. Nem antes.

“DIZER TE AMO”

Parece óbvio. Mas vai que, na hora da empolgação, sai um “eu te amo” aleatório? Ou naquela hora de relaxamento pós-sexo? O máximo que você vai conseguir neste caso é assustar o moça

“FALAR DE OUTRAS EXPERIÊNCIAS”

Perguntamos sobre isso a alguns amigos da redação do Divando, como o publicitário Tiago Dutra, que foi bem enfático: “A garota jamais deve falar, citar ou dar a entender sobre outros caras”. A comparação, colega, não tem nenhuma função. Só serve pra você comentar com as amigas. Na cama, com outro cara, é deselegante.

“TOMAR BANHO”

Esta é a opinião de todas as mulheres aqui da redação: tomar banho é algo muito pessoal e não combina com o sexo casual. “Acho que o banho é algo para outro momento, quando você já temcerta intimidade com a pessoa”, segundo as meninas. Deixa a ducha pra hora que chegar em casa.

12 coisas que você não sabe sobre xerekas

Pesquisando sobre sexo, contos, vídeos e tudo sobre o conteúdo, olha o que acho:

“Galere, me mudei pra Inglaterra essa semana, por isso, não teremos vídeos essa semana e provavelmente nem na próxima, para que eu possa me adaptar e agilizar todo o equipamento de gravação que preciso aqui, enquanto isso vou atualizando o blog sempre que der.
Obrigada por entenderem que como qualquer ser humano também preciso de um tempinho de “descanso” do trabalho.”

Fica ai com esse vídeo curioso sobre vaginas:

E aí, você achava que sabia sobre vaginas? E agora?

O tsunami Maya Gabeira

Maya Gabeira!

Surfista de ondas grandes (gigantes), já ganhou 4x o prêmio de melhor performance feminina, na maior premiação do surfe, o Billabong XXL.
Carioca, filha do jornalistaescritorpolíticorevolucionáriomilitante Fernando Gabeira com a estilista Yamê Reis, no auge de seus 26 anos, volta aos holofotes depois de ter sofrido um acidente que quase custou sua vida, ao surfar (e vacar, gíria para quem ‘cai da prancha e toma a onda na cabeça’) uma onda descomunal ano passado em Portugal.

Pois bem, ela volta em grande estilo!
Com um ensaio sensual para a revista GQ, Maya mostra o que o sal e as roupas de borracha escondem. Um corpaço, digno de quem é esportista!

Ela fala ainda sobre sua postura dentro e fora d’água, o que muitas vezes intimida a rapaziada. Mas ela não tá nem aí, continua curtindo a vida, e agora, voltando a surfar.

Confiram esse vídeo sensual — retirado do canal da GQ no YouTube — dela que é nossa maior expoente nesse esporte onde são os homens que mandam e fazem sucesso!
Maya mostra que além de ser uma fera dentro do mar, também é um tsunami fora dele.

 

Confiram também algumas fotos que achei pesquisando na internet. (leia-se Google :) )
*A primeira foto é do site da GQ

 

 

Powered by WPeMatico